Primeiro Curso de Gestantes do Hospital Municipal Materno Infantil é sucesso

Cerca de 40 gestantes e seus acompanhantes passaram a tarde de sábado (21) imersos no universo da maternidade

Primeiro Curso de Gestantes do Hospital Municipal Materno Infantil é sucesso


Texto: Deborah Hemerly - Foto: Deborah Hemerly/Secom-PMS

Entender as mudanças corporais durante a gravidez. Ter acesso aos caminhos que levam a uma gestação tranquila, saudável. Conhecer desde os momentos do parto até a revelação que é ter o filho nos braços. E agora? Nasceu! O que faço? Temas como esses foram abordados, no primeiro Curso de Gestantes do Hospital Municipal Materno Infantil (HMMI), em Colina de Laranjeiras.

O encontro entre a equipe técnica do hospital, convidadas, e as cerca de 40 gestantes aconteceu na tarde de sábado (21), das 14 às 19 horas, no auditório do hospital. As palestras foram enriquecidas por debates entre médicos, enfermeiros, assistente social, gestantes e seus acompanhantes. Sim! Cada uma delas - mães de primeira viagem ou já experientes no assunto - participou do curso acompanhada por uma pessoa.

Os papais estavam atentos a cada dica voltada para eles, sobretudo de como se comportar na hora do parto.

"Estou descobrindo coisas muito importantes. Os pais não podem deixar a gestação somente nas costas das mães. Devemos conhecer os processos da gravidez, para melhor auxiliar, compreendê-las. Temos e precisamos acompanhar a gestação dos nossos filhos”, concluiu o servidor público Felipe Moisés Sarnaglia, 30 anos, futuro papai da Sofia. Felipe Moisés é casado com a também servidora pública Priscila Ramires Lopes, 35 anos, que está grávida de 28 semanas.

 O Curso de Gestantes do HMMI também contou com lanchinho, sorteio de muitos brindes, entre eles, voucher para acompanhamento com doula, ensaio fotográfico de parto, sling (espécie de faixa longa para a mãe carregar o bebê), pulseira de âmbar, pintura de barriga. Os brindes foram oferecidos pela Organização Social que administra o hospital, a Santa Casa de Misericórdia. Foram muitas surpresas legais, que movimentaram a tarde de conhecimento dessa nova fase.

“Estou conhecendo mais a fundo tanto sobre as mudanças físicas, quanto as psicológicas que a gravidez traz para a gente. Além disso, tive informação para conhecer mais sobre o pré-parto, o parto em si”, contou a psicóloga Lorena Canal Ost, 28 anos, moradora do bairro José de Anchieta, que está grávida de 21 semanas da Elisa.

A conversa estava tão boa, rendeu tantos mimos que nem deu para os participantes do primeiro Curso de Gestantes fazer um tour pelo hospital. Bem, isso no sábado. As futuras mamães e seus acompanhantes vão agendar essa visita para os próximos dias.

Nascimentos

Na última quinta (19), o Hospital Municipal Materno Infantil (HMMI), em Colina de Laranjeiras, completou três meses de funcionamento, com 1.204 nascimentos, sendo 800 de partos normais e 404 cesarianas. A unidade fez também 4.513 atendimentos e 116 curetagens.

O Materno Infantil destaca-se pelo seu atendimento humanizado durante 24 horas por dia, todos os dias da semana. Há poucas semanas, a participação voluntária de doulas já é uma realidade do hospital, que preza pelo serviço de excelência que vai desde a estrutura física até sua capacidade técnica.

Estrutura

O HMMI conta com 50 leitos para alojamento de gestantes e puérperas de risco habitual; Centro Obstétrico com três salas cirúrgicas e sete quartos PPP (de Pré-Parto, Parto e Pós-Parto), isso sem contar com os exames de imagem e laboratoriais.

Quando estiver operando, na sua totalidade, no segundo semestre deste ano, o Hospital Municipal Materno Infantil terá a capacidade mensal para 638 internações obstétricas de risco habitual e 255 de risco alto, além de 51 internações de cirurgia pediátrica; 128 internações de ginecologia clínica e cirúrgica; 55 internações em Unidade de Terapia Neonatal (UTIN); 51 internações de Tratamento Intermediário Neonatal Convencional (Ucinco); 26 internações em Unidades de Tratamento Intermediário Neonatal Prematuro (Ucinca), ou leito-canguru; 51 internações em Unidade de Terapia Intensiva Adulta (UTI); isso sem contar com as 3.240 consultas de pronto-socorro e 2.304 consultas em ambulatório de especialidades.